So how can anybody say, They know how I feel
publicado por Ricardo às 12:20 | link do post

Ando de transportes públicos desde que trabalho em Lisboa. Já andei de comboio, barco, Metro, novamente barco, novamente comboio. Sempre Metro.Por vezes o autocarro da Carris (que tento evitar pois costumam estar super cheios e com odores pouco recomendáveis mesmo pela manhã).

É um estilo de vida. Por vezes porque é mais prático / rápido que o carro. Por todas as vezes porque é mais barato. A vida não está para luxos... "The Winter is Coming"...

Não sei se é de mim. Se é algo que tenho e estou a extravasar a toda a população metropolitana da capital. Injustamente talvez. Vejo uma Lisboa mais triste. Mesmo abençoada pela fantástica Luz que os primeiros dias do ano nos trouxeram, Lisboa está triste. Não vejo sorrisos. Vejo gente cansada. Carruagens cheias e enfadonhas. Não vejo sorrisos. E vejo cada vez mais pequenos sacos térmicos. Daqueles que nos dão nas promoções dos iogurtes e coisas do estilo. "The Winter is Coming"...

Sou um crítico por excelência do modo como vivemos. Do modo como valorizamos coisas acessórias e desvalorizamos as mais importantes. Sou um crítico mas sei que faço o mesmo. Também gosto dos meus luxos. Gosto das minhas viagens e de ir ao cinema. E de vez em quando (agora cada vez mais "quando" que "vez" de um trapito novo para o guarda roupa). Mas sinto-me mais triste...Estou a deixar me contagiar...

Vejo mais tristeza na rua. Vejo mais pessoas com ar abatido e remediado. Pessoas que se irritam mais facilmente. Discussões mais frugais.
De quem nos lidera, nem uma palavra de conforto, nem uma luz, nem uma palavra de esperança. As notícias são apenas más, menos más ou péssimas.

Não sei o que vem ai em 2012... Mas o que sinto... Não é bom..."The Winter is Coming"...

publicado por Ricardo às 16:10 | link do post

 

Declaração de intenções: Eu (como muitos) considero o Gary Oldman como o melhor actor de sempre a nunca receber um Oscar.

Conheço o livro do Le Carré há vários anos. Lembro-me de o ter na mão lá em casa quando era pequeno. E lembro-me sempre de um grande amigo falar-me sempre do Smiley.
A curiosidade já estava desperta e depois de ver o elenco deste filme (John Hurt, Mark Strong, Gary Oldman, Ciarán Hinds, Colin Firth…) era quase impossível sair desiludido. E assim foi. É óbvio que o Smiley não é um “James Bond”. E o filme não tem perseguições automóveis a alta velocidade, cenas brutais de tiroteio nem esperem mulheres de leste extremamente sedutoras (bem…ok… há pouco disto…) . Esperem um filme electrizante pela intriga. É incrível como nos prende à cadeira. Como nos obriga a procurar todo e qualquer pormenor para tentar desvendar o mistério.

Um enredo simples. Um agente duplo está infiltrado nos serviços secretos britânicos em plena Guerra Fria. Smiley, um agente de topo que está reformado, aparece como a solução para descobrir quem é a “toupeira”. Está afastado do Sistema mas conhece-o como ninguém.

E é aqui que temos Gary Oldman. Perfeito no papel. Um Smiley que não deve (espero) desiludir os fans de Le Carré. Calculista. Frio. Humano. Uma interpretação que será criminoso não ser nomeada para Oscar. Pode não ser desta vez que o Gary Oldman o vence, mas tem tudo para o fazer…

Classificação Zuropa: 5 Estrelas

publicado por Ricardo às 13:46 | link do post
tags:

Não me recordo de um filme dirigido pelo Polanski que não goste. Também é verdade que ainda não vi uma obra do mesmo realizador que suplantasse “O Pianista”, no entanto, o selo de qualidade existe (mesmo tendo finais como “A Nona Porta” ou uma história já requentada como o “Oliver Twist”).

 

Este “O Deus da Carnificina” transmitiu-me uma mais valia: a capacidade de conseguir imaginar todo aquele filme num palco em Portugal e com actores já escolhidos (sim, o Miguel Guilherme seria o meu Alan Cowan), ou seja, o filme é tão simples, tão “vulgar” (no bom sentido) que qualquer um é capaz de perceber a mensagem (pelo menos assim espero). O “O Deus da Carnificina” é um filme que volta ao básico. Esqueçam os efeitos especiais, esqueçam o 3D, esqueçam teorias de conspiração e apocalipses. Esqueçam tudo isso. E tamos 2 casais. Normais. Com filhos. Os filhos “pegaram-se” num arrufo de parque infantil. Os pais tentam resolver a questão amigavelmente. Entre eles claro. E o que temos são menos de 90 minutos de uma discussão em tempo real. Parece simples. É simples. Mas este filme estaria condenado se os actores não estivessem tão brilhantes.

 

Christoph Waltz está perto do nível de “Inglourious Basterds”, Kate Winslet e a Jodie Foster estão muito bem e a grande surpresa (pelo menos para mim que estou acostumado ao actor noutro registo) foi John C. Reilly. Sentem-se bem na cadeira e acompanhem tudo durante menos de hora e meia de filme. Viagem por todas as reacções das personagem e analisem-se. E vejam o final. Previsível e cristalino.

 

Bom filme.

 

Classificação: 4 Estrelas Zuropa

publicado por Ricardo às 13:29 | link do post
tags:
publicado por Ricardo às 13:12 | link do post
publicado por Ricardo às 13:12 | link do post
publicado por Ricardo às 13:10 | link do post
publicado por Ricardo às 13:09 | link do post
publicado por Ricardo às 13:07 | link do post
tags:
publicado por Ricardo às 13:06 | link do post
tags:
mais sobre mim
Playlist
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
pesquisar neste blog
 
Posts mais comentados
comentários recentes
Em primeiro lugar muito obrigado por ter perdido o...
Muitas palavras pouco conteúdo.A mesma admiração q...
Muito bom o post amei vou sempre visitar seu websi...
Concordo plenamente, esse Daniel Oliveira pode ter...
Ola, mantenho um blog chamado "Tralhas Varias" ded...
Ah I see what you mean. Hei-de ver :)
Este filme tem tudo para funcionar...a ver vamos. ...
Hum...pelo menos a maior parte talvez seja mesmo! ...
tão verdade!gostei :)
Fiquei aguçado...
subscrever feeds
SAPO Blogs