So how can anybody say, They know how I feel

Faz amanhã uma semana que tive o prazer de assistir na companhia de alguns dos meus melhores amigos e amigas (isto dos grandes momentos ainda faz mais sentido partilhados com amigos) ao documentário itinerante acerca da vida e carreira de António Sérgio, intitulado “O UIVO”.

 

Zona industrial do Barreiro, uma sala de cinema improvisada, gente de todas as idades e estilos, bastante composta. Parecia um cinema clandestino do antigamente. Impecável. Cenário perfeito para uma “imensa minoria” como era intitulado nos tempos da XFM.

 

O projecto foi elaborado pelo jovem realizador Eduardo Morais (autor já de outros projectos do âmbito musical) e com base num esquema de crowd funding conseguiu elaborar um excelente trabalho (com uns pequenos problemas no som – reconhecidos pelo autor) que consegue perfeitamente transferir para 1h30 o legado de um dos maiores radialistas portugueses.  Nesse ponto está cinto estrelas.

 

No entanto o que me atraiu mais no documentário e na história de vida de António Sérgio foi uma capacidade bastante desvalorizada nos dias que correm, mesmo com o evoluir de uma sociedade portuguesa pós 25 de Abril e a abertura ao mundo (com as suas vantagens e problemas inerentes), de conseguir pensar “fora da caixa”.

 

O que o documentário realmente nos transmite (além de uma indubitável qualidade musical bastante ecléctica) e uma pequena lição de história é que em todos os períodos da nossa história e vivência nos vamos cruzando com personalidades quase anónimas que escolhem não alinhar em “rebanho” e conseguem sair da zona de conforto e explorar o que está mais além E quando essas personalidades o decidem partilhar com o mundo (qualquer que seja o seu tamanho) ainda mais há a louvar.  Inevitavelmente chegará sempre o momento em que os “pastores” do “rebanho” conseguem exercer a sua influência e condenar a personalidade a um exílio quase forçado.

 

Foi basicamente isso que se passou com António Sérgio. 

 

Felizmente, e pelo que vi in loco no documentário e na assistência, muita gente reconheceu o trabalho desta personalidade dos nossos tempos. E mesmo eu, que me recordo pouco do seu grande momento com o “Som da Frente” e me recordo melhor do “Lança Chamas” ou da “Hora do Lobo” agradeço a quem me convidou a assistir a esta 1h30 de histórias, testemunhos, música e cultura.

 

Mais uma lição.

 

Foi um prazer.

 

PS: Mais infos podem consultar aqui.

 

 

 

publicado por Ricardo às 15:52 | link do post
mais sobre mim
Playlist
Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
19
20
22
23
24
25
26
28
29
30
pesquisar neste blog
 
Posts mais comentados
comentários recentes
Em primeiro lugar muito obrigado por ter perdido o...
Muitas palavras pouco conteúdo.A mesma admiração q...
Muito bom o post amei vou sempre visitar seu websi...
Concordo plenamente, esse Daniel Oliveira pode ter...
Ola, mantenho um blog chamado "Tralhas Varias" ded...
Ah I see what you mean. Hei-de ver :)
Este filme tem tudo para funcionar...a ver vamos. ...
Hum...pelo menos a maior parte talvez seja mesmo! ...
tão verdade!gostei :)
Fiquei aguçado...
SAPO Blogs